segunda-feira, março 12, 2007

Os espíritos lá de casa – 1º capítulo

Outro dia no post "coisas que não sabem sobre mim" contei que vivia numa casa que eu acho ser assombrada. Como houve algum interesse em saberem mais, aqui vai o 1º capítulo relantando as diversas manifestações presenciadas lá em casa.

Ao longo da minha vida já morei em 8 casas diferentes e apenas pressenti este tipo de fenómenos, na casa onde resido actualmente há 13 anos. A maior parte passou-se nos primeiros anos, mas ainda hoje ocorrem alguns que relatarei mais tarde.

Vou contar-vos desde o princípio.

Quando fui para lá morar, por vezes acordava durante a noite e visualizava como se fosse a sombra de um indivíduo de chapéu, aos pés da cama. Pensava, que disparate, são as sombras da rua através dos estores e cortinados. Essa figura estava sempre imóvel. Um a bela noite eu e o L. acordámos de uma forma bem estranha. Tinha-nos caído em cima um quadro que se encontrava pendurado por cima da cabeceira da cama. O quadro, um tecido pintado muito bonito que tinha trazido do oriente estava emoldurado entre duas folhas de vidro. Media 1,40 de largura por 1metro de altura. Ao cair sobre nós partiu-se como é evidente, mas apenas o vidro de baixo. Primeiro não percebemos o que tinha acontecido, pensámos num terramoto, depois conforme nos íamos mexendo os vidros enterravam-se na carne, por fim o L. lá conseguiu deslizar da cama para o chão. O vidro de cima não estava partido e o peso não permitia que nos mexêssemos sem nos magoarmos muito com o vidro de baixo que estava partido. No final verificámos que as escápulas de aço que seguravam o quadro estavam na parede impecáveis. O seu formato era um L. Os dois suportes existentes na moldura, estavam impecáveis, uma espécie de argolas que eram introduzidos na perna do L. Para tirar o quadro seria necessário levantá-lo cerca de 2,5 cm dos suportes e o quadro era bastante pesado.

Como o quadro caiu é inexplicável até à data. Nenhum dos elementos de suporte estava danificado ou tinha caído. O vulto do homem nunca mais apareceu lá.

Perguntei no prédio se alguém tinha morrido naquele apartamento, disseram-me que não.

Mais tarde soube que o tecido pintado emoldurado, se tratava de uma pintura funerária indiana, usada não sei para quê.

9 Comments:

Blogger Geo said...

curioso....isso é bruxaria caramba lol

1:33 da tarde  
Blogger scarlett said...

ja fiquei arrepiada... e lembro-me bem desse dia...

1:42 da tarde  
Blogger Peste said...

dasssssssssss

:S num gosto dessas coisas!!!

se precisares chama-me q eu vou lá exorcisar essa alma guinchando alto e bom som

2:35 da tarde  
Blogger Francis said...

esquisito.

3:18 da tarde  
Blogger Lu Geiger said...

Hum... adorei saber que este é apenas o primeiro capítulo! Hehehe!

4:20 da tarde  
Blogger Alexandre said...

Adoro estas coisas! Acho que nunca vivi em nenhuma casa assombrada mas ao longo da minha vida assisti a coisas que me deixaram e ainda hoje deixam estupefacto: por isso acredito perfeitamente que possa haver - porque há - seres que vagueiam por aí, que ainda não encontraram o caminho - se é que há algum caminho...

Deste-me uma ideia para eu um dia postar alguma das minhas histórias misteriosas.

9:46 da tarde  
Blogger vicio said...

não sabia que me tinhas visto!
tenho que me desfazer do chapeu...

11:20 da tarde  
Blogger maria-joão said...

Eu não acredito em bruxas... mas que elas existem, existem.

10:58 da manhã  
Blogger Rafeiro Perfumado said...

E ainda tens o quadro? Ou está preso com rebites à parede?

3:51 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home